15 museus do mundo para visitar pelo menos uma vez na vida

15 museus ao redor do mundo para visitar pelo menos uma vez na vida

Existem dezenas de milhares de museus ao redor do mundo. Alguns mais interessantes que outros, uns que se destacam por serem um tanto atípicos e alguns que certamente entrarão – ou já entraram – para a história por contar com impressionantes acervos. Estes últimos certamente devem estar na sua lista de lugares para conhecer antes de morrer.

Para ajuda-lo nesta tarefa, o Guia da Semana listou 15 museus ao redor do mundo para visitar pelo menos uma vez na vida. É importante dizer, no entanto, que o mundo tem muito mais do que 15 museus espetaculares e muitos deles estão bem pertinho de alguns aqui listados, então quem sabe você não acaba visitando mais de um na sua próxima viagem?

Foto: Luz Rosa/Shutterstock

MASP | São Paulo, Brasil

O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateubriand, ou MASP, museu que se consagrou como cartão postal da nossa cidade comporta uma coleção considerada a mais importante do Hemisfério Sul. Em seu acervo estão obras assinadas por artistas como Renoir, Rembrant, Botticelli, Velázquez, Ticiano, Degas e Manet em exposições permanentes, além das temporárias que são sempre muito interessantes. O próprio prédio é uma obra de arte – projetado pela italiana Lina Bo Bardi, é símbolo da capital paulista e seu vão livre tem mais de 70m de comprimento que servem de espaço de convivência para feiras, manifestações e eventos.

Foto: Mia2you/Shutterstock

Metropolitan Museum of Art | Nova York, EUA

A maior e mais popular galeria de arte dos Estados Unidos, em Nova York, tem uma coleção permanente que cobre mais de cinco mil anos de arte, desde o Egito Antigo até obras americanas contemporâneas, passando por europeus como Velázquez e Van Gogh. O prédio principal foi fundado em 1870 e está localizado no famoso Central Park. O preço para adultos de fora da cidade é de 25 euros.

Foto: Romanslavik/Shutterstock

Musée du Louvre | Paris, França

Além de um monumento histórico em Paris, o Museu do Louvre é o maior museu de arte do mundo. Inaugurado em 1973, o lugar guarda quase 40 mil objetos que datam desde a pré-história até o século 21, dispostos em uma área de mais de 72 mil metros quadrados. O Palácio do Louvre, onde está localizado o museu, foi originalmente construído como uma fortaleza para o rei Filipe II no início do século 13. O valor da entrada é de 17 euros para brasileiros, mas todos podem entrar de graça no primeiro domingo do mês, de outubro a março, e no dia 14 de julho, feriado nacional. Planeje sua viagem para passar em Paria nesses dias!

Foto: Shutterstock

Museus do Vaticano | Cidade do Vaticano

Os Museus do Vaticano, na Cidade do Vaticano, cercada por Roma, são um complexo de museus e galerias que começaram durante o século 18. O complexo inclui diversas obras apropriadas pela Igreja Católica, incluindo artefatos do Egito e da Roma Antiga, tapeçarias dos séculos 15 a 17 e até arte religiosa moderna e contemporânea. Depois de andar por 54 galerias, você chega à Capela Sistina, com as famosas pinturas de Michelangelo. A entrada para adultos custa 17 euros.

Foto: Piotr Wawrzyniuk/Shutterstock

British Museum | Londres, Inglaterra

Fundado em 1753, o Museu Britânico em Londres foi o primeiro museu nacional público do mundo. Naquela época, ele recebia cerca de cinco mil visitantes por ano, hoje são cerca de seis milhões. O museu guarda cerca de oito milhões de objetos divididos entre departamentos que cobrem história asiática, Oriente Médio, Antigo Egito e muito mais – é lá que fica a famosa Pedra de Roseta, por exemplo. Assim como grande parte dos museus britânicos, a entrada é gratuita, mas você pode contribuir na entrada ou na saída com o valor que desejar.

Foto: Dennis van de Water/Shutterstock

Rijksmuseum | Amsterdã, Holanda

O Rijksmuseum (rijks significa império e se pronuncia raiks) é o mais famoso museu da Holanda, em Amsterdã. Seu acervo conta com cerca de 900 mil objetos e configura a maior coleção de arte e história dos Países Baixos, entre pinturas, tapeçarias, esculturas, cerâmicas e muito mais. O museu foi fundado em 1800 e guarda uma grande quantidade de arte medieval, mas é particularmente famoso por suas obras do século 17, como pinturas de Rembrandt ou Vermeer.

Foto: Shutterstock

Museo Nacional del Prado | Madri, Espanha

Criado em 1819, o Museo Nacional del Prado, em Madri, é o mais famoso dos museus espanhóis, e há um motivo para tal. A enorme coleção existe principalmente graças aos reis e rainhas dos séculos 16 e 17, que reuniam o maior número possível de obras de seus artistas preferidos simplesmente pelo desejo de tê-las em suas paredes. Graças a esse costume, diz-se que o Prado é um museu de pintores, e não de pinturas, uma vez que parte impressionante de obras de artistas como Velázquez, El Bosco, ou Goya está representada ali.

Foto: Shutterstock

Museum Island | Berlim, Alemanha

A Museum Island, em Berlim, é propriamente o que o nome diz, uma ilha de museus, considerada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. No total, são cinco museus convenientemente posicionados um em frente ao outro. Se estiver por ali, portanto, vale a pena visitar todos, ainda que cada um precisa de pelo menos metade de um dia para ser minimamente explorado. O Pergamon é ideal para os amantes de arte islâmica e do Oriente Médio. Já o Neues é a escolha certa para quem curte o Egito Antigo, Arte Pré-Histórica e Clássica. Já o Bode guarda uma impressionante coleção de esculturas. Os outros dois estão fechados até 2019 para reforma. Você pode comprar ingressos combinados para os três por preços mais acessíveis.

Foto: Tateyama/Shutterstock

Museo Nacional De Antropología | Cidade do México, México

Fundado em 1964 para investigar, conservar, exibir e difundir as coleções arqueológicas e etnográficas mais importantes do país, o Museo Nacional de Antropología, na Cidade do México, tem 22 salas dispostas em mais de 45 mil metros quadrados que o configuram como o maior museu do México e um dos mais importantes do mundo. O prédio, apesar de ser um signo da arquitetura urbana do século 20, guarda importantes peças da história pré-colombiana e é, antes de tudo, uma homenagem aos povos indígenas que já estavam na América antes da chegada dos europeus.

Foto: Shutterstock

Museu da Acrópole de Atenas | Atenas, Grécia

Localizado em Atenas, capital grega, o Museu da Acrópole de Atenas, fundado por decreto em 1863, teve seu prédio atual concluído somente em 2009 e, portanto, é tão moderno por fora quanto clássico por dentro. Localizado a 300 metros da famosa Acrópole de Atenas, o museu conta a história do lugar e guarda uma coleção composta basicamente por peças encontradas em escavações na própria região, que incluem obras desde o século 7 a.C. até o século V d.C. O acervo cobre grande parte da história da região e revela muito sobre diversos povos que viveram ali ao longo dos séculos.

Foto: Shutterstock

Galleria Dell'Accademia | Florença, Itália

A Galleria Dell’Accademia, em Florença, é um importante museu fundado ainda em 1784. Hoje, guarda um importante conjunto de obras de arte que datam do fim do período gótico, por volta dos séculos 15 e 16, até o fim do século 19. Sua obra mais famosa e, certamente, a que faz valer a pena esperar na fila, é o famoso David de Michelangelo, que preenche o imaginário de pessoas ao redor de todo o mundo.

Foto: Shutterstock

Museu Nacional da China | Pequim, China

O Museu Nacional da China, em Pequim, recebe mais de sete milhões de visitantes por ano, e hoje é considerado o museu que mais recebe visitas no mundo. Fundado em 2003, ele surgiu quando se uniram dois antigos museus que ficavam no local, o Museu Nacional de História Chinesa e o Museu Nacional da Revolução Chinesa, com uma área total de 192 mil metros quadrados. Ao visita-lo você pode apreciar exibições que exploram história chinesa moderna e antiga. Lá você pode ver, por exemplo, a bandeira que Tsé-Tung levantou em outubro de 1949, quando proclamou a República Popular da China. A entrada é gratuita.

Foto: Shutterstock

Museu Hermitage | São Petersburgo, Rússia

O Museu Hermitage fica na antiga capital do Império Russo, a espetacular cidade de São Petersburgo, na Rússia. Localizado às margens do Rio Neva, o museu está distribuído por dez edifícios e guarda mais de três milhão de peças de arte e artefatos de praticamente todos os períodos e culturas da história russa, europeia, oriental e do norte da África, entre pinturas, esculturas e objetos arqueológicos. O mais antigo prédio desse impressionante museu fica no Palácio de Inverno, construído em meados do século 18, quando foi casa da família real.

Foto: Shutterstock

Museu Egípcio | Cairo, Egito

Apesar de ser um tanto caótico, o Museu Egípcio, na capital do Egito, Cairo, guarda uma das mais importantes coleções de artefatos da Antiguidade do mundo, ainda que muito tenha sido roubado pelos europeus e levado embora. Desde tesouros do famoso Tutancâmon, o faraó adolescente, até múmias e estátuas de deuses. O espaço de 15 mil metros quadrados guarda mais de 100 mil artefatos, mas alguns têm sido movidos para o Grande Museu Egípcio, que promete ser o maior museu arqueológico do mundo, com inauguração prevista para este ano, e deve substituir seu irmão mais antigo na lista de museus para visitar ao menos uma vez na vida.

Foto: f11photo/Shutterstock

Museu Nacional de Tóquio | Tóquio, Japão

O Museu Nacional de Tóquio é o museu certo para visitar no Japão se você só tiver tempo para visitar um museu. Fundado em 1872, o mais antigo museu nacional do Japão guarda a maior coleção de arte japonesa do mundo, entre cerâmica, espadas de samurai, quimonos impressionantes e esculturas budistas. O museu fica na região central de Tóquio e costuma organizar exposições temporárias espetaculares.

Ler mais